Procedimentos - DESVIO DE SEPTO

Descrição

DESVIO DE SEPTO

O septo nasal é a parede vertical que separa o nariz em duas cavidades (fossas nasais). É composta de cartilagem na parte anterior e osso na posterior, recobertas por uma camada de tecido chamada mucosa. O desvio do septo nasal está presente em 85% das pessoas em diferentes graus de severidade. Pode ocorrer devido a microtraumas nasais que geralmente passam despercebidos durante a fase de crescimento do septo, inclusive no período intra-útero. Traumatismos de face e fraturas nasais também podem ser a causa do desvio septal.

Quando é necessário realizar a correção deste desvio (septoplastia)?

Septoplastia é a cirurgia que corrige esta deformidade. O objetivo desta cirurgia é centralizar o septo nasal, sendo indicada quando o desvio causa obstrução nasal importante (nariz entupido), infecções nos seios paranasais (sinusites), cefaléia (dor de cabeça) e para complementar o tratamento do ronco e da apnéia do sono.

Pode estar associado a um aumento das conchas nasais inferiores, que são estruturas da parede lateral do nariz, aumentadas algumas vezes em decorrência da rinite alérgica, por exemplo, e nesses casos, é também indicada a redução cirúrgica das mesmas, procedimento denominado turbinectomia.

Enfatizo que nem todas as pessoas com desvio septal necessitam de cirurgia, isto depende do grau do desvio e principalmente dos sintomas apresentados. Em relação à idade, o ideal é que se opere após os 16 anos de idade, quando está encerrada a fase de crescimento septal, porém, em casos especiais (desvio septal severo) pode-se indicar septoplastias conservadoras abaixo desta idade.

Como é realizada esta cirurgia?

A septoplastia é realizada sob anestesia geral. Tem a duração de aproximadamente 60 a 90 minutos e geralmente o paciente fica internado por pouco tempo, com alta no mesmo dia ou no dia seguinte à cirurgia. 

Uma pequena incisão é feita por dentro do nariz onde é descolada a mucosa que fica sobre a cartilagem e o osso do septo. As partes desviadas são então removidas e a mucosa é recolocada sobre o septo centrado. Atualmente há uma tendência a não se utilizar o tampão nasal quando se opera por vídeo-endoscopia. Ao sentir um dos sintomas presente em seu cotidiano e atrapalhando seu bem-estar, procure nosso otorrinolaringologista.

Abrir Chat